15 de outubro de 2011

15 de outubro de 2011



E é o mar que traz o futuro momento
Em que a onda se desfaz onde outra enrola o vento
Chega ao eco contínuo do presente, esse som
bebido na babugem do instante.
Frente ao mar, dando às costas da areia
o pensamento infante, sopra o tempo.

O olhar é um ciclo bretão ou um cantar de amigo
Um líquido sussurro, uma doce maresia,
Sobe aos olhos a flor, essa forma do vento:
Espuma e sal, pele e astros a arder,
Tenra raiz do tempo.
Verde como o pinhal, alta como fogueira,
Erguida em chão, a terra fumegante de mar,
Enfim clareia.

  © Blogger templates ProBlogger Template by Ourblogtemplates.com 2008 | The Blog Full of Games

Back to TOP